Carregando...



Resenha: Pokémon White Version 2

Não percebi as quatro horas iniciais que gastei jogando o novo Pokémon até meu estômago reclamar bem alto. O espetáculo visual é transcendental e a hipnose te transforma num pivetinho de 10 anos que mata aula pra apostar em briga de bichinhos. Desde o Game Boy Color não me sinto tão completo com um jogo da franquia. Esse é o retorno à origem.



Torci o nariz para todos os Pokémon da geração DS (a 5ª), problema que começou logo na geração Game Boy Advance (3ª). Os monstrinhos capturáveis ficaram com design horrendo, mais parecendo robôs do que bichos, além do extremo apelo infantil que o desenho passou a mostrar (e que só percebi depois que fiquei "mais velho"). Joguei as versões Diamond e Platinum por jogar, sem nem terminar, só pra ter razões pra falar mal.

Quando saiu Pokémon Soulsilver, aí a história mudou. Pokémon Silver, aquele de Game Boy Color (que ganhei aos 9 anos), era considerada por mim a melhor versão de todos os tempos e remasterizá-la foi genial! Babei, né? Quando saíram Black & White, caguei de novo: "deixa, o pessoal da Gamefreak se perdeu mesmo". Mas agora, cara, estou escrevendo esse post com o DS ligado aqui ao lado, doido pra apertar os direcionais e dizer pra vocês como a vida social é desnecessária quando se tem uma versão esplêndida de Pokémon no bolso.

[orgulho: ou você tem ou você ~não~]

A história de Black 2 & White 2 se passa 2 anos depois dos eventos de Black & White. É a primeira vez na franquia que a história tem continuação direta e blá, blá, blá, isso você acha no Wikipedia. O que você não sabe é que as mudanças, sutis ou não, transformaram um jogo "legal" para espetacular assim, estalando os dedos. 

As músicas e efeitos sonoros surround preenchem a alma. Os gráficos derrubam lágrimas. É como se o Enrique que passava mais de 12 horas acumulando vidas em Silver tivesse voltado agora, com 20 anos, pronto pra gastar muito mais tempo. É tanta coisa pra colecionar (medalhas, insígnias, lugares no ranking, Pokémon, itens e mais!), tanta coisa pra fazer (criar filmes, assistir a musicais, batalhar, decorar, conversar com amigos) que a vida real não parece tão colorida sem pokébolas. 

["hoje dançamos sem motivo. Um dia, vamos desaparecer sem motivo" - mensagem subliminar? (fonte)]
E ainda dá pra jogar no computador, online, e passar itens e pokémon pro seu cartucho via wi-fi! Dá pra conseguir boa parte dos pokémon antigos com caracteristicas únicas, transformando-os em peças raras pra trocar (também via wi-fi, com todo o mundo) ou participar de torneios! 

["entrar num monte de batalhas é a melhor maneira de treinar seu pokémon rapidinho" - violência é feijão nesse arroz.]

Se você ainda não se rendeu à geração Nintendo DS, agora tem uma ótima desculpa para comprar seu console. Isso é Pokémon de verdade, o misto de emoções, entretenimento inocente (tá, nem tanto, porque o que sai de palavrão da minha boca...) e tecnologia gráfica moderna e saudosista. Aproveite as promoções do game (que podem sair por R$ 120,00! Olha que ele foi lançado nesse mês!) e compre logo! Se comprar até antes do dia 12 de novembro, ganha pra download exclusivo o pokémon Genesect (apelão pra caralho! Super ajuda nas conquistas de ginásio).

E, se o fizer, me avisa? A gente troca friend code e se ajuda nas váááárias missões multiplayer do game. Te quebro em doze, piranha. De quebra, fica o trailer Lv. 100 de qualidade, usado pra divulgar o game. O anime não seria mais legal se fosse assim?


Comente com o Facebook:

Últimos Artigos