Carregando...



Para o 1º Emprego, Parte 1: Medo de Trabalhar


A experiência de conseguir o primeiro emprego e trabalhar pela primeiríssima vez é assustadora. E se errar? E se nunca conseguir um emprego ou estágio? Pra ir mais longe, como sair da comodidade de ter as contas pegas pelos pais pra viver daquilo que é gerado a partir do seu trabalho duro? Esse guia é pra quem tem medo de sair da casca.

Sábado será o dia da semana em que postarei guias. Além do nosso Guia Prático de Superações Amorosas, o Guia Para o 1º Emprego, baseado em minhas recentes experiências como estagiário a construir uma carreira na área de design gráfico, vai trazer em forma de dicas minhas conclusões diárias. Nessa primeira parte, vou tratar do medo de sair de casa, de errar para conseguir o primeiro salário 100% seu. 

Começar a faculdade foi um grande passo em direção ao futuro que imagino num episódio de longa duração de The Big Bang Theory: casa decorada com bagulhos só meus, bastante espaço e bons amigos. Além de ser extremamente recomendado passar por uma fase de estágio durante o período acadêmico, queria ganhar meu dinheiro já em algo que contasse para esse futuro, pra montar uma carreira ao invés de um descartável "emprego" em algo que não tem nada a ver com minha formação.

Na terça fiz a entrevista e na quarta comecei a trabalhar. Só contei para meus amigos mais próximos como que ao mesmo tempo em que me sentia muito feliz por finalmente ganhar meu money, sentia absoluta pressão nas costas porque esse dinheiro é resultado de minha produção dentro da empresa. E se eu errar? E se não conseguir satisfazer as expectativas de meus empregadores? E se chamarem minha atenção? 

TODA SUA ROTINA MUDA

Se antes reclamava do tédio gerado por tempo livre em excesso, hoje durmo menos de 5 horas, estudo, tenho que cuidar do DDPP e da casa. Arranjar uma desculpa, largar tudo e voltar pra debaixo da asa dos pais foi a primeira reação que apareceu pra mim. Era tão mais fácil só ter de me preocupar com a faculdade — e mesmo assim poder matar aulas sempre que quisesse dormir mais!


Enquanto na faculdade faltas só atrasam você em algo que dá pra ser recuperado depois, no trabalho faltas podem ser suas carrascas. Não tem desculpa! Não tem mão na cabeça! A coisa fica séria e só dá pra fugir ou encarar. A melhor opção é encarar, claro! Principalmente se for seu primeiro emprego. 


Talvez você só possa sair aos finais de semana — seus dias de folga —, só poderá assistir suas séries de sexta a domingo e os livros e a internet vão ficar de lado até o costume com o novo dia-a-dia assentar. Talvez tenha de recusar convites de festa às sextas por estar exausto e seu nível de estresse pode aumentar consideravelmente. Sabe por quê? Porque a gente prefere focar no pior lado dessa nova rotina, no que a gente perde.

Proponho: faça uma lista das coisas que você ganha, do que vai mudar positivamente com essa nova rotina

MEDO DE ERRAR

Quando seu chefe te aceita, ele sabe que é sua primeira experiência. Não que vá pegar mais leve, mas se você errar será muito mais compreensível, pois o primeiro emprego é uma grande aula! É lá que você pode aprender errando, que você precisa errar pra não fazer a mesma merda.


A primeira semana é aos tropeços mesmo, tá tudo diferente! Seus sentimentos se intensificam e você percebe como sua percepção de responsabilidade irradia na cabeça, como você amadurece em poucas horas pra cuidar de sua futura fonte de renda e preservar um nome na construção esquisita de uma carreira.

Errar é humano. Mesmo que seu chefe não aceite, o máximo que vai acontecer é você achar outro emprego. O que não pode rolar é você se crucificar pra sempre por causa disso. Pegue leve consigo, se permita a lição. Visualize sua perfeição, mas entregue como puder. Apenas faça.

TUDO FICA BLUE

Para um discípulo de Peter Pan, se render ao sistema pra ganhar dinheiro pode parecer (e é) um tanto doloroso. Só pense da seguinte forma: "o primeiro mês pode ser tenebroso, mas é no começo do próximo que terei nas mãos o resultado desse esforço, dessa coragem".


Quando estiver no shopping escolhendo roupas, uma câmera nova ou caçando casa pra alugar sem ter de dar satisfação pra ninguém, posso te garantir que tudo terá valido a pena. É uma troca onde você perde algumas horas de liberdade durante a semana pra ganhar um outro tipo de liberdade: a financeira. 

Daí é só não ficar parado. Seja flexível, carregue bom astral e dê bom dia mesmo pra quem não te responde, mas não se acomode ao abrigo de sua casa. Seus pais não viverão pra sempre e trabalho, no mundo que a gente vive, chega pra todo mundo mais cedo ou mais tarde.

CONCLUSÃO

Toda mudança é incômoda, mas seu cartão de crédito (e até um pouco do ego) vão te deixar muito confortável depois, vai por mim. Esse primeiro emprego é uma ponte para onde você vai chegar. É ele quem vai preparar sua mente, sua carteira e seu tempo para coisas maiores e até muito mais prazerosas. 

Eu, por exemplo, vou viver da internet um dia. Esse é meu objetivo. A faculdade e trabalhos que surgirem farei com meu máximo de esforço e paixão, mas pra ajudar a formar os degraus de onde realmente quero estar. Tenha um plano, se dedique pra realizá-lo e reclame menos.

De tudo.

FacebookYoutubeTwitterConheça o autor

Comente com o Facebook:

Últimos Artigos