4 filmes que nunca canso de assistir

amizade+colorida+jovens+adultos

Tenho poucos filmes realmente favoritos, daqueles que nunca paro de ver não importa quanto tempo passe. Falei de dois deles no especial Ressaca de Halloween 2012 (Jovens Bruxas e Os Garotos Perdidos) e de outro aqui (De Repente, Califórnia), então hoje vou falar do que nos sobrou: Jovens Adultos, Amizade Colorida, A Origem e Donnie Darko. E essa é só a primeira parte...

Fotografia em Cemitérios


Ontem, quarta (29), postei um episódio do vlog falando sobre Cemitério, Morte, Vida e Suicidas e hoje venho trazer uma série de fotos inspiradoras num estilo que poderia ser categorizado como mórbido ou bizarro, mas que não passa de "misterioso" pra mim. Além de os achar lindos, cemitérios carregam umas simbologias interessantíssimas, histórias impagáveis e expressões fotográficas sem iguais. Tipo ame ou odeie.

Outro dia fui ao cemitério com o Begus. Foi no dia das mães, dia triste pra estar num lugar desses. Aí me toquei que o que me fez sentir mal não foi estar pisando em solo sagrado ou recheado de espíritos sem descanso. Me senti mal pela saudade daquelas pessoas que choravam sem parar.






Cemitérios agradam meus olhos, e sossegam minha alma, mas saber que muita gente foi parar lá por injustiças me deixa um pouco revoltado, meio puto. Só não consigo deixar de admirar as formas geométricas, os desenhos das sombras, a forma com que os arredores dos muros se tornam puro silêncio. 






São os contrastes. O vivo com o morto, a luz com a sombra, o medo com o sorriso. Minha paixão por cemitérios é imensa, mas não vai durar mais do que minha vida: depois de morto e repartido para todos aqueles que conseguirem usar meus órgãos, vou pegar foguinho. Não vai ter uma larvinha sequer comendo meu bumbum.






FacebookYoutubeTwitterConheça o autor

VLOG: Cemitério, Morte, Vida e Suicidas

Podemos especular o quanto quisermos sobre como agiremos quando perdermos alguém que amamos, mas é só quando a ficha cair — ou quando a pessoa cair no caixão — é que saberemos até onde vamos. Esse episódio do vlog fala sobre o impacto da morte nas vidas, mas não apenas por ângulo negativo: exploro o que isso pode trazer de bom. De verdade.


Curta, compartilhe, se inscreva e, se perdeu alguém, meus pêsames. Sei que é difícil, mas tente olhar pelos lados mais positivos. Todo dia algo morre pra gente, sejam pessoas, animais ou até mesmo momentos. Precisamos aprender a lidar com essas perdas irreversíveis ou a gente morre junto. Morre vivo.


Vício em héteros: querer quem não podemos ter

heteros

Mesmo aliens como eu sofrem com o mal de se apaixonar por alguém condicional-sexualmente indisponível. No caso, homossexual se apaixonar por heterossexual. Ou quando heterossexual se apaixona por alguém do gênero que o agrada, mas que é homossexual. Ou quando apenas nos apaixonamos por quem nunca vai nos olhar com a tag "possível relacionamento". Problema é quando viciamos nisso de não podermos ter.

Notívagos: quem prefere a noite

o+que+e+notivago

Sou das corujas, daqueles que se sentem mais inspirados, animados e felizes depois que o Sol se põe, cruzando a madrugada como uma estrada, não uma escalada intensa — como é a parte diurna do dia. Infelizmente a sociedade obriga pessoas como nós, de natureza biológica diferente, a levantar de dia e adormecer com as estrelas. Por que ser noturno é tão bom?

Música alternativa e fotografia analógica

Ontem postei a primeira parte do Guia Fotografia Analógica, explicando por onde começar. Pra entrar no super clima alternativo desse tipo de arte, fiz essa playlist só com músicas que acompanham a vibe de sonho, de verão, de viagem. É uma lista que transita sem excessos entre o alegre e o melancólico. Tem tudo a ver juntar os amigos e pegar uma câmera.

Fotografia analógica, 1: Como começar?

fotografia+analogica+35mm

"Como vocês conseguiam viver sem câmera digital?", perguntei pra minha mãe há alguns anos, quando encontramos nossa antiga câmera analógica (de filme) na gaveta. A partir daí, busquei formas de reproduzir o estilo único, lúdico e saudosista que hoje domina o Tumblr, we♥it e afins: as fotos vintage, analógicas ou descartáveis. Comprei minha câmera, gastei uns filmes e agora compartilho o que aprendi.

É tão indie, né? Tão hipster, tão cool. Se procurar por "analog" nessas redes sociais visuais, vai encontrar resultados a dar com pau. São aquelas fotos um pouco queimadas pela luz, amareladas ou de tons verdes e azulados que brilham um pouco desfocados contra o fundo escuro causado pelo flash. Por muito tempo tentei reproduzir esse efeito no Photoshop (essas aí embaixo), mas chega uma hora em que você percebe que algumas fotos só ficam com essa cara de "fantasia" se usar uma câmera de verdade.



POR QUE AS FOTOS ANALÓGICAS SÃO TÃO APAIXONANTES?

Pelo menos pra mim, fazem com que sinta saudade de um tempo que não vivi, que não tive. Vejo essas imagens de adolescentes curtindo a vida com os amigos, usando roupas legais com cortes de cabelos ousados, e se deixando congelar num frame anacrônico, fora do tempo. Essas fotos me dão vontade de viajar de kombi pelo país, de não ter lugar fixo, de arranjar bons amigos e grande romances, de pular na piscina pelado ou nadar no oceano de madrugada. 


Imagino longas noites ao redor da fogueira ou tardes inteiras assistindo a filmes no cinema. Vivo festas na sala com decoração simples e um monte de papel crepom. Ouço The Drums tocar antes de Florence + The Machine cantar no meu caminho pra fotografar no cemitério. É tudo isso e mais um pouco que jamais vou conseguir verbalizar quando vejo essas fotografias analógicas. 


QUAL CÂMERA ANALÓGICA DEVO COMPRAR?

Com diferentes tipos de preços e configurações, câmeras analógicas não chegam a ser bichos de sete cabeças. Primeiro porque, como hobbie, não vejo razões pra pagar R$ 500 numa câmera histórica, já que o buscado aqui é o efeito visual analógico mais do que o controle de foco ou as complexidades dos níveis de iluminação. 


Por isso, o primeiro lugar pra procurar uma câmera é na casa da sua avó ou no seu porão. Pergunte aos seus pais onde estão as câmeras que usavam há décadas e tente recuperá-las. Como saber se estão funcionando? Sem o filme dentro dela (vou falar do filme já, já), veja se ela é à pilha. Se sim, há um probleminha.


Em minhas pesquisas antes de comprar a minha, soube que as que usam pilhas pra alimentar o flash têm mais chances de se foderem com o passar dos anos, já que muitos usuários "esquecem" pilhas e baterias dentro do compartimento, o que pode acarretar o vazamento das pilhas para o circuito da câmera, corroendo-o. 


Pra testar, ainda sem filme, coloque a pilha no local indicado, arme a câmera (rodando um botãozinho na parte traseira, à direita, até não conseguir mais rodar), carregue o flash, e dispare (no botão que nem ao de uma digital) olhando para  diafragma (buraquinho atrás da lente que deixa a luz passar). Se ele abriu e fechou (é bem rápido) e o flash acendeu, ela deve estar funcionando bem, aí só testando com filme e revelando pra saber.


Outras câmeras não vêm com flashes embutidos, o que as tornam quase inúteis em locais com pouca iluminação, sendo recomendado fotografar em ambientes externos em dias de Sol. Pra quem tem flash, a intensidade e a distância recomendadas variam, mas o comum é manter-se a uma distância entre 1,2m e 3m. Mas não se prenda às regras! O legal desse tipo de fotografia é o elemento surpresa, não saber o resultado na hora! Afaste, aproxime, tire fotos em lugares mal-iluminados ou contra a luz! 


As câmeras analógicas mais comuns e populares são as Diana F+, Diana Mini, La Sardina e a Olympus Trip 35. Pra quem quer pagar ainda mais barato só pra experimentar a técnica, aconselho comprar uma câmera analógica descartável. Elas vêm com 27 poses e só podem ser usadas uma vez (por isso são descartáveis). São indicadas pra levar a shows ou locais onde você possa perder ou ser roubado. Depois que fotografar, o processo de revelação é o mesmo (fica prum próximo post).


Na internet encontrei alguns hacks para reusar e recarregar a câmera descartável com um filme novo. A minha é diferente do modelo dos sites, mas mesmo quando terminei com o filme, a abri e consegui recarregar — vou preparar um tutorial pra isso no futuro. De todas, é a câmera que faz meu estilo de fotos preferido. Em segundo lugar, vem a Olympus Trip 35, mas se eu puder usar a descartável pra sempre, pra sempre será. 


O BÁSICO SOBRE FILMES

Bom é que todas essas câmeras que apresentei utilizam o filme mais comum e barato, o de 135 (ou 35mm). Você o encontra em lojas de revelação digital e especializadas em fotografia entre R$ 10 e R$ 13. A Diana F+ é a única que utiliza filmes de 120 (120mm), produzindo fotos quadradas. Sai um pouquinho mais caro, mas o resultado é interessante. Cada filme tem um número de poses que equivalem ao número de fotos a serem tiradas.

A diferença de um filme para outro fica pelo encaixe: uma câmera de 35mm não aceita filmes de 120mm e vice-versa. Outros pontos que nos dão opções diferenciadas para composição de fotos são o ISO (nível de sensibilidade à luz) e se o filme é colorido ou preto e branco. Quanto mais alto o ISO, mais luz o filme vai captar, mas também vai ficar granulado, com aqueles pontinhos que parecem areia, grãos. Sendo assim, dá pra tirar fotos mais visíveis em ambientes com menos luz se não se incomodar com a grande quantidade de grãos (que eu adoro).


Quando o ISO é baixo, vai fazer o efeito contrário, recebendo menos luz em ambientes super iluminados e diminuindo consideravelmente a quantidade de grãos. O ISO comum dos filmes vendidos fica em torno de 200 e 400. Com o tempo, se sentir a necessidade, teste outros tipos. Se o filme for preto e branco, o resultado final será, obviamente, preto e branco. 

No geral, é um investimento que vale a pena quando se tem extrema vontade de expressar coisas que não podem ser ditas, coisas que sentimos quando olhamos para essas fotos incríveis e desejamos mudar toda a nossa realidade para aquele estado de "sonho", de que parece haver muito mais do mundo por trás das lentes, olhando o universo de uma outra perspectiva.


FacebookYoutubeTwitterConheça o autor

10 razões para assistir Dexter

dexter

Dexter entra na última temporada, a 8ª, no dia 30 de junho nos Estados Unidos. Se não conhece ou teve saco pra começar a assistir, separei 10 motivos para ganhar pique e pegar todas as 7 temporadas de uma vez. Ainda dá tempo de alcançar o resto do público pra não perder o fim de uma das séries mais interessantes dos últimos tempos.

Como fazer camisa Star Wars Stormtrooper

como+fazer+camisa+star+wars+stormtrooper

Ensinei a fazer uma camisa do Sonic, do Batman e agora vou ensinar a fazer uma dos soldados mais populares do mundo pop, nerd e geek: os stormtroopers. Sabe aqueles caras com cabeça de balde que defendem o Império Galático na série de jogos, filmes, séries, desenhos e brinquedos Star Wars? Dá pra estampar na camisa usando tinta e cartolina. Faça você mesmo!

VLOG: Você é Muito Diferente da Sua Família?

Nessa semana, resolvi falar sobre vezes que tenho de ser pai dos meus pais, de como acho estranhos os adultos que não conseguem lidar com responsabilidades. Nem por serem adultos, mas porque receber responsabilidade é natural. Mesmo que não queira crescer como um idiota, acho importante saber quando amadurecer. Hoje, no mundo onde crianças têm filhos, responsabilidades são vilões. E as nossas diferenças?


Toda quarta posto novos vídeos no meu canal no Youtube! Curta, compartilhe e se inscreva! 


Qual o significado de "eu te amo"?

casal

Ainda me surpreendo com a facilidade com que dizem "eu te amo". Sei que a frase não deveria ser tão importante pois existem diferentes níveis de amor. E mesmo assim, amor é uma palavra para um conjunto de sentimentos que funcionam de diferentes formas para cada tipo de gente, em situações diferentes. Então como confiar quando alguém diz "eu te amo" pra você?

Faxina pode ser legal

faxina

Sou uma senhora. Senhora solteira, que ama animais e conversa com as fadas quando não tá conversando sozinha. Sou apaixonado pela estética (que não é a mesma coisa que beleza) e manter minha casa limpa ajuda a manter meu espírito limpo. Por isso, quando tô puto da vida, pego uma vassoura e carrego meus problemas pra lixeira. Sabia que isso pode ser divertido?

Últimos Artigos