Carregando...



Andar de skate depois dos 20, 2: Como andar de skate?

como+andar+skate_2

Você aprendeu a comprar o skate certo no outro post. Com ele em mãos, é hora de coloca-lo nos pés. Vou explicar nessa parte do guia o que é base, a forma correta de ficar em cima do shape e quais os melhores tipos de asfalto pra treinar seu equilíbrio, sua remada (impulso) e suas curvas. Cair faz parte, então sem medo! Vem!

QUAL É SUA BASE SOBRE O SKATE?

Base é a forma com que você pisa sobre o skate, que vai definir qual pé vai ficar na parte da frente do shape, na altura do par de parafusos mais perto de você e qual vai ficar atrás, na curvinha da ponta traseira (a tail) pegando impulso, manobrando curvas e freadas mais bruscas. Por isso, suba no skate (não faça dentro de casa), coloque seu pé direito na frente e pegue impulso com o esquerdo. Depois troque de pés e faça a mesma coisa. Com qual posição você se sentiu mais confortável?


Se foi com o pé direito na frente e o esquerdo atrás, você é goofy, como mostra a imagem aí em cima (sou goofy também). Se foi com a esquerda na frente e direta atrás, você é regular. Se ficou confortável das duas maneiras, meus parabéns, você é switch. Qual o certo? Aquela posição em que se sentir mais confortável. Não tem regra.

Vale ressaltar que no começo não será muito importante, mas se você pretende manobrar depois, todo mundo recomenda que você treine com as duas posições até se acostumar, já que algumas manobras pedem a inversão dos pés. E convenhamos que é muito mais divertido ser switch do que um ou outro.


COMO FAZER CURVAS COM SKATE?

Sabendo sua base e dando os primeiros impulsos, você tá mantendo o equilíbrio. No começo eu só conseguia fazer linhas tortas, nunca conseguia andar em linha reta. Fiquei a noite toda tentando, mas não saía de jeito nenhum. Voltei pra casa cansado e, na semana seguinte, consegui fazer uma linha reta inteirinha no asfalto da orla de primeira. Depois de dominar minha linha reta, fui aprender as curvas. Tenha paciência, seja insistente, mas saiba quando descansar. 

A curva simples, pra desviar de um objeto distante ou para mudar de uma mão para outra na pista, é questão de apoio da ponta dos pés e calcanhares nas extremidades laterais do skate, flexionando os joelhos. Se quer virar para a direita, deposite um pouco do seu peso nos pés para a direita. Se para a esquerda, faça o movimento para a esquerda. Se o truck estiver bem colocado, vai sentir que o skate "afundou" para o lado que você quis e as rodinhas do lado que recebeu a força dobram pra dentro um bocado. 


Para curvas mais bruscas e freadas, a força é jogada para o pé de trás, sobre a tail, relaxando o pé da frente (sem tira-lo da lixa) para levantar as rodas frontais e direcionar as traseiras para o outro lado com um movimento de impulso do quadril, colocando as rodas frontais no chão rapidamente com o pé da frente de novo. É um pouco mais complicado, prometo aprofundar o assunto no futuro. O Youtube tem um monte de exemplos:


POSTURA SOBRE O SKATE

Tente se manter ereto com os cotovelos flexionados e, quando necessário dar impulso, dobre os joelhos um pouquinho. Seu pé precisa ficar com a ponta e os calcanhares sobre as extremidades laterais do shape para que você consiga fazer a curva da maneira correta (olhe a imagem sobre bases). 

Quando remar, não afaste demais a perna que dá impulso, isso pode desequilibrar. De começo, não tente correr muito também. Se sentir que vai cair, projeta seu rosto e cabeça. Em vários sites os caras recomendam equipamentos de proteção e segurança, mas acho feio e não comprei os meus. Até hoje, já rodando bem, tentando dar meu primeiro ollie (manobra de pular com o skate) e fazendo curvas bonitonas, não caí. 


Não quer dizer que o material de segurança é dispensável, só quer dizer que sou a porra de um maluco que vai acabar mais ralado que queijo ou em coma hora ou outra. Mas heim, agora que o básico está aqui, vou falar um pouco da minha experiência andando de skate depois dos 20 anos e sobre o asfalto perfeito pra iniciantes.


DIÁRIO DE SKATE DO GAROTO COM MAIS DE 20 — PARTE 1

Comecei a andar sozinho. Na segunda semana chamei amigas, sendo que apenas uma tinha skate e por ter comprado em uma loja não especializada, ficou com um skate ruim, o que é o mesmo que não ter. Só que na quarta semana fui com meu melhor amigo e eterno jovem que já escreveu aqui no DDPP, o Begus Bezerra, comprar o longboard dele, aquele skate mais largo e comprido.

O longboard, além de muito mais estável, foi montado com maestria pelos caras da loja, por isso reforço a importância de comprar em locais especializados! Sai mais caro (custou R$ 500), só que dura muito mais e fica muito mais confortável no pé. Se possível, recomendo que mostre para seus amigos como andar num skate pode ser delicioso. A experiência de ter alguém com a mesma vontade de andar é positivamente diferente. Por quê?


Porque é legal ter com quem comentar cada segundo que conseguiu descer a ladeira perto de casa sem cair ou a primeira curva de 360º. É legal trocar de skate e apostar corridas. É legal dar as mãos e ficar inventando manobras de impulso, um puxando o outro. É legal descobrir que a quadra recém-construída do bairro pode ser o novo point de vocês toda sexta à noite.

Além de comprar no lugar certo e levar um melhor amigo, a escolha do asfalto foi importantíssima pro meu aprendizado. Sei que quando a gente pega um skate, achamos que o ideal é atravessar o bairro inteiro pela estrada como se andássemos por milênios. Calma! Recomendo definir duas coisas: o tipo de asfalto e o tamanho da pista no qual você vai percorrer para aprender, acostumar com teu bebê nos pés, aprender a fazer curvas etc.


Descobrimos, eu e o Begus, que a quadra e a calçada ao redor da praça gigante são perfeitas pra isso. Principalmente de madrugada, nosso horário lindo. Além de não ter carros nas ruas ou pessoas que possam "travar" nossa inibição, ninguém quer jogar futebol, deixando o espaço livre para até quatro skatistas aprenderem, zoarem, gravarem vídeos e tirarem fotos.

Com The Drums nos ouvidos, celular na mão, McWrap na bolsa e suor na testa, aprendi nesse dia (04/05/13) que andar de skate pode ser ainda mais divertido do que já achava enquanto sozinho. Essa coisa de vento no rosto, praia, música alternativa, fotografia analógica e vídeos despojados podem ter um sabor muito mais apurado se o melhor amigo estiver do lado.


Gravamos um videozinho, assista aí:


Créditos pelas imagens: (1) (2) (3) (4)

FacebookYoutubeTwitterConheça o autor

Comente com o Facebook:

Últimos Artigos