Carregando...



Estilo Os Garotos Perdidos (The Lost Boys) - 1987

estilo+garotos+perdido+filme

Ninguém é mais fã desse filme do que eu. Do primeiro eu digo, porque as duas sequências foram vergonhosas e fora de eixo, já que foi a força da época que transformou Os Garotos Perdidos numa referência da moda alternativa, de ótimas músicas e dos vampiros teen mais legais que os da nossa perdida geração. Nesse post, vou dissecar o estilo desses garotos.

O filme de Joel Schumacher — o mesmo cara que todo mundo zoa por ter destruído o filme do Batman — pegou o melhor embalo oitentista pra nomear seu filme inspirado pelos garotos perdidos que vivem com Peter Pan na Terra do Nunca, já que nunca envelhecem, eternos jovens. "Dormir o dia todo, festejar a noite inteira, nunca envelhecer, nunca morrer. É divertido ser vampiro" é a frase que vendeu o filme. A frase que o tornou um clássico (falei brevemente dele aqui).

Vamos falar das roupas, acessórios, decoração e de como esse caras me mostraram que brincos numa orelha só podem ser lindos até a (nunca) morte. Ah, e de como inevejei esses cabelos na época que Sessão da Tarde era legal...


AS ROUPAS DOS GAROTOS PERDIDOS EM 1987:

Na sequência maravilhosa no começo do filme onde Echo & The Bunnymen tocam People Are Strange — originalmente cantada pela banda The Doors — mostra que Santa Carla é povoada por hippies, punks, góticos, grunges que ainda nasceriam e até hipsters! Muito estilosa, por sinal.


É de se esperar que preto, marrons e cinzas sejam predominantes em quase todas as peças sem ser regra, assim como excesso de sobreposições, brincos e acessórios tribais, como presas gigantes, medalhas de conchas ou bronze, óculos redondos, wayfarer, correntes, spikes, tachas, couro, xadrez e tudo que remeta ao místico, vintage, rocker e biker (motoqueiro).


Essas imagens aí foram uma pincelada geral da estética do filme e da época. Todos aí são humanos, os descoladinhos, os "estranhos".


Agora vamos focar nos vampiros, baby.


JAQUETAS

Peça super coringa (e super usável tanto no verão, mesmo que amarrada na cintura, quanto nas demais estações menos quentes), o que mais gosto nas jaquetas desse filme é como todas elas têm cara de "faça você mesmo". Na verdade, todas são customizadas. Os vampiros seguem a filosofia punk + anarquista na hora de se vestir e transformar simples jaquetas em peças de arte urbana, coisa de tribo.


Pintura com tinta de tecido (o tigre), patches e retalhos de tecido costurados sem preocupação um por cima do outro pra gerar essa poluição visual estilosa (o carinha da direta), correntes e medalhas penduradas sobre tecido preto pra dar brilho e graça (o loirão) e por aí vai. Quem sabe um dia não posto um faça você mesmo dessas jaquetas? Sobreposição, mesmo que por sobre peito nu, dita o estilo d'Os Garotos Perdidos, sempre com esse jeitinho motoqueiro de ser.


BRINCOS DE UMA ORELHA SÓ

Comprei um sobretudo preto só porque não podia furar orelha (minha mãe não deixava). Queria ficar parecido com David, o Kiefer Sutherland quando ainda era adolescente e, convenhamos, bem pegável. Foi bem no ano passado que tomei coragem e ao invés de ir num estúdio de piercings (e contra as reclamações da minha mãe), fui para a farmácia daqui e furei uma orelha só por R$ 10


Uma presa, arame dobradinho com um laço de couro, bijuterias meio árabes e até uma simples moeda de centavo furada podem se tornar brincos. Assim como as jaquetas, é nessa simplicidade que me apaixono! O filme tem uma estética muito legal e é totalmente oposto ao que é considerado "bonito", se tornando mais bonito ainda pras pessoas que gostam do diferente, do obscuro, como eu.


A cruz e o último, feito de arame, inspirado naquele busto do David ali, são meus. Esse último eu fiz, mas perdi quando fiquei bêbado na praia. Furar a orelha foi a única modificação corporal que fiz e me mata de felicidade, não me arrependo. Brincos masculinos de uma orelha só são o extremo de estilo pra mim. Eles mudam o rosto inteiro.


Acima um bônus de quantas coisas são possíveis e que só ficam legais se forem numa orelha só.


ÓCULOS 

Não preciso falar muito, né? Lentes circulares ou wayfarer dominaram o mundo!


Tenho as lentes redondas como minhas preferidos, são universais e elegantes. Dá pra usar com roupa hippie ou com algo mais chique e nunca falha. É rocker, é vintage, é lindo pra cacete.


DECORAÇÃO

A última parte dessa dissecação do estilo d'Os Garotos Perdidos! Sobre decoração, fica difícil levar pra dentro de casa, mas o que chama atenção é o "esconderijo" dos vampiros. É tipo um clube super bem decorado com velas, garrafas de vinho, pranchas de surf (de quando ainda podiam surfar), veneração a Jim Morrison e tudo que um clube de garotos imortais precisa.


Gosto da quantidade de elementos que dão essa cara de bagunça pro cenário e me inspiro bastante quando tô na vibe de acender velas ou dar uma festa do pijama pendurando tecidos, fazendo cabanas, algo meio cigano com X-Men. Já no quarto do Sam, temos as madeiras rústicas, figuras empalhadas e busto de índio que caracterizam o estilo xamânico.


Os pôsteres (estranhamente o de um homem sexy também), o relógio pop na parede e detalhes em cores vivas não deixam o lugar ficar monótono, tornando-o jovem dentro de um espaço selvagem. O cara é viciado por quadrinhos, o que torna tudo mais legal ainda. É simples e aconchegante, do tipo que eu adoraria reunir uma galera pra jogar Uno, criar inimizades e me encher de pipoca. 


Cara, como eu gostaria de poder falar mais sobre esse filme! Além de ter marcado minha infância e ajudar a compor o Enrique Sem H do presente e futuro, é um filme de sábado à noite, comendo biscoito à meia-luz, desejando nada mais que a porra da imortalidade. 

Ser jovem pra sempre nunca é uma má ideia. E que jamais façam remake desse filme.

FacebookYoutubeTwitterConheça o autor

Comente com o Facebook:

Últimos Artigos