Carregando...



Para o 1º Emprego, Parte 4: Organizando a Nova Rotina


Não querer crescer como um adulto comum, dentro dessas "especificações" que memorizamos no nosso subconsciente, não é ignorar responsabilidades ou não buscar o mínimo de independência. Por isso, uma das maiores reclamações de quem consegue o primeiro emprego é a mudança que isso causa na rotina: falta de tempo pra ficar entediado ou fazer outras coisas. Mas... que coisas mesmo? Ah, sim, lembrei!

Assistir séries, filmes, ficar de bobeira no computador: essas atividades se tornam esporádicas, já que o emprego pode consumir até 10 horas do seu dia. Digamos que você acorde 8 da manhã, chegue no trabalho entre 9 e 10 e só saia às 16 ou 18. Talvez leve 1 ou 2 horas pra voltar pra casa, o que te faria colocar a mochila no chão do quarto entre 17 e 18 horas ou 19 e 20. Aí você toma banho, come e poderia dormir por volta da meia-noite, se o cansaço permitir, só pra começar tudo de novo no dia seguinte.

Quando chega o final de semana, você tá cansado mas quer aproveitar esses dois diazinhos porque são raros e especiais. Então, no domingo, você tá um bagaço e precisa acordar cedo na segunda. Pra onde vai o tempo de vida que deveria ser só seu? Te digo: pro bolso. Conversando com um cara inteligentíssimo outro dia, ele me disse que o problema da humanidade é não entender que o tempo gasto no trabalho não é só gasto no trabalho, no trânsito ou afins. É o tempo da sua vida mesmo, da sua validade.

Só que não tem jeito! Se quiser comprar o novo Playstation, vai pedir pra mamãe? Nada contra quem faz isso, mas nem sempre os pais podem arcar pra sempre com as suas despesas. Se quiser viajar, morar só ou até mesmo estudar, você precisa trabalhar! É uma troca! O tempo de vida que é gasto no trabalho é recompensado com salário, que é só dinheiro, papel, mas que te traz oportunidades de possuir outros momentos de vida.

Por isso, recomendo trabalhar em algo que você realmente goste e que não domine seu cotidiano por inteiro, a ponto de não conseguir aproveitar o dinheiro que recebe, pois com prazer no que faz, a sensação não é de tempo perdido! Com bons colegas ao redor, num clima gostoso, além do tempo passar mais rápido, se torna divertido fazer dinheiro e não o contrário, quando o dinheiro faz você conviver num ambiente que não te agrada, desperdiçando as horas dos seus contados dias.


Se tem outras atividades (como escrever no DDPP, haha), se quer tempo pra andar de skate ou limpar a casa, organize seus horários numa folha de papel, defina prioridades e dias exatos para mata-las. Separe horas, não acumule tarefas e evite de levar o estresse do trabalho pra casa. Compre agendas e não se permita entrar no ciclo de pressa da volta pra casa ou pra chegar no trabalho. Se atrasar, atrasou, não há nada que possa fazer! 

Ter pressa ou ficar afobado destrói o prazer das coisas. Se ficar preso no trânsito, leia um livro. Se estiver de pé num lotado, coloque os fones de ouvido, observe o mundo lá fora e, dentro da sua mente, pense em soluções para problemas. Seja menos crítico e mais apreciativo, o que não significa que você precisa se acomodar a situações como essas. Não acredito que trabalhos valham mais a pena do que nossa saúde mental/espiritual. Se não tá fazendo bem, se não dá tesão, caia fora antes que se acostume.


Viva um dia de cada vez. Tente aproveita-lo ao máximo, pois temos a certeza de que ele vai acabar pra começar outro. Nada dura pra sempre, ok? Não engavete projetos com a desculpa de falta de tempo. Não deixe de assistir Dexter. Faça o que te dá prazer, porque mesmo que não ganhe muito, nunca terá o sentimento de que a vida tá acontecendo na sua frente e você tá parado.

"Em vez de ficar torcendo para chegar o feriado ou um final de semana, por que você não arranja uma vida da qual não precise fugir?", bem disse Maira Rahme. Não é fácil conseguir a vida de qual não queiramos fugir, mas impossível nunca será. Nunca.



FacebookYoutubeTwitterConheça o autor

Comente com o Facebook:

Últimos Artigos