Carregando...



Minha família não gosta de mim

Leia mais autoajuda

Apesar do guia pra melhorar o relacionamento com os pais usar possibilidades que você tem em casa, existem casos sem jeito. Às vezes a culpa é do filho, que acha que os pais não gostam dele, por não conseguir entender que existem outras formas de eles demonstrarem carinho (mesmo quando frios). Noutras, os pais realmente não gostam do filho. A ponto de odiar.

E aí ninguém fode ou sai de cima: os pais não expulsam por causa da "obrigação sanguínea", mas insistem em transformar teu cotidiano num inferno. Nunca respondem com educação, nunca param de cobrar ou jogar na cara o que deixaram de fazer pra sustentar o que (implicitamente) chamam de "aborto da natureza", e que você deveria mesmo pegar suas coisas e sumir.


Imagem: vintag.es

Sabemos que somos criaturas "desculpeiras", como tenho chamado ultimamente. A gente levanta justificativa pra tudo! Até para o que nos faz mal! Quando uma mulher é estuprada, ela tem culpa por ser mulher e usar roupas (injustamente) caracterizadas para seu gênero. Quando o garoto é esfaqueado na Lapa, ele tá errado por ter se arrumado demais pra andar num local tão perigoso. Quando se sofre abuso dentro de casa, é sempre o filho — por ser mais novo — que provavelmente tá agindo como babaca.

Tenho um amigo que ama a mãe. Nunca fez nada de errado, além de, adivinhem! Tarããããã: ser gay. Por causa disso, ela não cansa de desmoralizar o moleque, acusá-lo de escolher um caminho de perversão e outras baixarias que só ela, com a cabeça podre, poderia inventar. Ele é meu amigo. O conheço mais que ela, infelizmente, e sabe quantas vezes o vi beijando garotos? Três. Três de relacionamento longos! Sabe quantos outros ele tinha beijado por aí? Dois. Cinco no total.

A mãe simplesmente pegou um bom motivo pra externalizar o ódio à criatura que a impediu de realizar o sonho de se tornar médica (engravidou cedo, largou escola), que a afastou das amigas (com uma personalidade dessas, duvido que tivesse alguma) e que a envergonhava publicamente (nesse caso, por andar com garotos mais delicados do que a sociedade gostaria que fossem). Chegou a ponto de ela trancar os armários com corrente e cadeado, tacar fogo no colchão e ele ter de ir embora pra ter onde dormir. Que bom que tinha amigos!


Imagem: wansura.tumblr.com

O que questionei foi: por que diabos você demorou 22 anos pra fazer isso?! Mesmo que houvesse amor, se calar perante tanta raiva foi estupidez da parte dele, que inventou desculpas pra não sair da zona de conforto desconfortável: não tenho dinheiro pra morar sozinho; não estou certo em ser gay; deveria ajudar mais em casa; deveria, deveria, deveria. Até que nada adiantou e ela deu o pé nele.

Conclusão: vai esperar até perder a mão pra querer desenhar o próprio futuro? Ou será que não teria valido a pena ele ter assimilado a possibilidade de passar fome na rua até se estabilizar, mas conquistar a liberdade? Se fosse fácil ser livre, filhote, a Globo estaria pobre.


FacebookYoutubeTwitterConheça o autor

Comente com o Facebook:

Últimos Artigos