Carregando...



Tipo ideal: o dia que a casa cai

tipo+ideal

Quando mais novos, gastamos um tempão conversando com os amigos sobre nosso tipo ideal pra nos envolvermos romanticamente: "precisa ser assim, assado, com isso e aquilo". Conforme envelhecemos, desenvolvemos abertura mental pra aceitar diferentes tipos de pessoas (inclusive esse). Gostamos dos gordinhos, não pensamos tanto em independentes trabalhadores, e driblamos melhor grande parte das diferenças. Por quê?

Não sou o único, sabe? Conversando com dois amigos de Belo Horizonte que vieram pro Rio pra curtir o Melhor Verão da Minha Vida, entramos nesse tópico quando um deles falou que adora homens branquíssimos, dos que dá pra ver a veia. Falei que não curtia tanto, que preferia moreninhos e bronzeados. Algo em comum era que, no final de cada preferência, dissemos a mesma coisa: "mas depende de..."


Imagem: fosterthepeople.tumblr.com


aparência + caráter + situação
Porque não nos limitamos a características simplesmente físicas para decidir se vamos ou não nos envolver. Depois de tantos casos, a gente entendeu que é a soma de aparência + personalidade + ambiente que impulsiona um beijo a acontecer ou uma amizade a se manter como amizade, sem adendos. Eu, por exemplo, não sou muito a beijação, mas se o ambiente for uma estrada sem luz no meio de lugar nenhum com alguém quimicamente compatível, é o que farei a noite toda.

tô velho, socorro
Essa expansão da lista de requisitos para "aceitarmos" alguém, também pode vir do medo de virar adulto. Afinal, ninguém tá ficando mais jovem e a preocupação de não ser tão charmoso quanto aos 15 anos bate na porta. Pode vir com um pensamento do tipo "se escolher demais, na idade que tô, vou ficar sem". No meu caso não acontece, porque prefiro morrer sozinho do que viver mal-acompanhado, mas é uma opção que quase ninguém tá pronto pra tomar. Necessita muita coragem e amor próprio.


Imagem: derekmacario.tumblr.com


evolução
Ou, pelo lado em que prefiro acreditar com mais vontade, essa compreensão de que pessoas não são apenas aparência ou personalidade definida, mas de tudo isso junto, pode ser fruto da maturidade. Um processo de evolução psicológico/filosófico onde captamos o sutil nos seres humanos, o que, do outro, pode somar em quem somos e nos tornar mais felizes. Aparência chama atenção, personalidade cativa o interesse. Só que aparência acaba com o tempo, enquanto a personalidade só melhora (ou deveria) com o passar dos anos.

e aí?
Óbvio que podemos querer pessoas mais altas ou baixas, magras ou gordas, porque não há problema nenhum em escolher com quem você quer investir suas tardes. O problema fica em querer se dar uma chance mas não se permitir porque aquela pessoa não está dentro do quadro de requisitos que você montou com regras impossíveis de serem cumpridas. É tirar as próprias chances de conhecer gente digna. Se olhar por escassez, tá faltando gente assim. Mas parte disso é culpa de quem olha e não enxerga os enormes potenciais existentes.


FacebookYoutubeTwitterConheça o autor

Comente com o Facebook:

Últimos Artigos