Carregando...



Bi-curioso ou bissexual: tem diferença?

bicurioso+bissexual

Pra caramba. Bissexual é quem sente atração sexual/emocional por pessoas de ambos os gêneros, masculino e feminino. Já bi-curioso é quem se identifica como hétero ou homossexual, mas que possui curiosidade emocional/sexual por alguém do mesmo sexo — no caso do homossexual, do sexo oposto. O termo se refere a quem não teve experiências ou que não se realizou com pouca experimentação.

Conversando entre amigos sobre a bi-curiosidade de um colega nosso há muitos anos, debatemos sobre como ele não é bi-curioso, mas homossexual não-assumido e frustrado que estava dando uma desculpa para começar o processo de abrir o armário e curtir a sexualidade. Eu discordei. É verdade que muitos dos que se dizem bissexuais ainda o fazem por vergonha de afirmarem preferência completa ou predominante por alguém do mesmo sexo, mas não é regra. 

Cena do filme "Weekend"

Esse amigo namorava uma menina até poucas semanas e sempre se relacionou com garotas. Sempre foi gentil e cabeça aberta, o que, dentro da cultura geral (para héteros ou gays), parece ser impossível existir sem que ele tenha de ser gay. Quando nos tornamos tão cínicos? Não existem heterossexuais que quebram os padrões do "macho"? Não pode existir um heterossexual com curiosidade íntima com alguém do mesmo sexo?

"Mas se ele beija homem, ele é gay", alguém vai dizer. Não. Gay é quem sente atração completa ou predominante por alguém do mesmo sexo. O mesmo vale para bissexual: ele não se encaixa sob esse termo porque a predominância afetiva se expõe por meninas (obviamente, do sexo oposto). A curiosidade vem com uma complexidade que tentamos transformar em regra sem percebermos que justamente por sermos humanos, estamos passíveis à influência do meio.

Imagem: flickr.com/photos/meeka

Ou seja, um cara pode ser heterossexual mas sentir curiosidade em um garoto específico porque eles se identificam de manerias diversas, onde nasce aquele pequeno desejo de explorar um outro ângulo dos dois de forma mais íntima. Pode partir também de uma situação, como uma festa onde a vibe tá incrível, aquele amigo de anos está perto, e eles compartilham a intenção e confiança, ou até mesmo em alguém novo, com uma atração física/estética que desperta a curiosidade, a vontade de tocar, beijar. E que passa.

Depois que a curiosidade é satisfeita e o bi-curioso consegue tirar uma conclusão (se continua preferindo o gênero oposto, se passa a preferir o mesmo gênero que o dele ou se gosta de masculino e feminino na mesma intensidade), ele volta a ser o que era ou o que prefere se encaixar. No fim das contas, é tudo etiqueta para generalizar tendências. O segredo é: tá a fim de experimentar um pinto? Experimente. Não precisa vestir camisa nenhuma, nem levantar bandeira. A experiência é sua, não um festival para as pessoas levantarem tabelinhas e darem notas. Prazer é justo, desde que seja seguro.


LEIA TAMBÉM 


FacebookYoutubeTwitterConheça o autor

Comente com o Facebook:

Últimos Artigos