Carregando...



Precisa assumir?

assumir

Dentro do contexto de afirmação social (e até ideológica), homossexual se admitir homossexual tem importância fundamental na luta contra o preconceito e estabelecimento da normalidade para que as pessoas entendam que não importa se é homem ou mulher que beijamos: seu caráter diz quem você é. Se sua família não sabe e você não tá a fim de dizer, será que é necessário?

Já falei sobre sair com caras não-assumidos, então digamos que você não seja assumido(a), ok? E seu namorado te pressiona e julga por você ter 23 anos de idade e não ter saído do armário pra família. Ele se sente pouco especial e até pensa que, na sua cabeça, ele não vale o sacrifício. Só que a gente se importa tanto com o "assume ou não assume", desenvolvemos uma cultura com tanta necessidade de autoafirmação/aceitação que o lado simbólico, em alguns casos, perde efeito.


Imagem: flickr.com/photos/yulia_vadimovna

Dessa forma, a perspectiva do ato de se assumir pesa menos como atitude de mudança social significativa e mais como um ato emocional para provar alguma coisa ou diminuir o peso na consciência de confessar para familiares que você está fazendo algo "errado" e que, de certa forma, precisa da aprovação deles. Afinal, são seus parentes e você gostaria de dizer que aquele cara que você apresentou como melhor amigo no último Natal é, na real, teu namorado.

Apesar dos pesares, acho que intimidade (especialmente a sexual) é direito individual: você divide com quem quiser, e se não quiser, não divide. Não que eu seja a favor de uma vida de máscaras e mentiras, mas correr atrás de aceitação por culpa não é melhor que isso. Ninguém tem nada a ver com quem você beija. Se são homens, mulheres ou o que for, não muda seu caráter perante sua família e o mundo ao redor. Se você for um canalha, continuará sendo canalha. Se for amável, continuará sendo assim. É a mesma coisa que comer chocolate em segredo: você é escória por isso?


Imagem: icplibrary.wordpress.com

Peço que tenha paciência com quem está no armário, especialmente se for você mesmo. Não devemos dizer para ninguém como devem viver as próprias vidas. Mentir pra família é ruim, sim, mas nem todos estão prontos para a verdade nessa geração. São avós tradicionalistas, pais hipócritas e laços que se perdem não pela homossexualidade apresentada, mas pela ignorância de quem não tem a mesma cabeça aberta que você. É algo que se muda com o passar dos anos (quando há possibilidade).

É melhor construir independência financeira e emocional, analisar se é necessário contar sobre a sexualidade, e até se vai ser mesmo um bicho de sete cabeças (e não só culpa criando uma sombra maior do que o monstro). Foque no seu relacionamento e nos amigos sinceros. No futuro, o mundo será extremamente mais tolerante, mas sua família, os mais velhos, dificilmente vão mudar para acompanhar. Cabe a você, com bom-senso, tomar a melhor atitude. Não só para se provar, mas para compartilhar algo bom. Porque não há nada de errado em ser quem você é.


e talvez esses artigos interessem: 



FacebookYoutubeTwitterConheça o autor

Comente com o Facebook:

Últimos Artigos