Carregando...



Romance sem joguinhos, por favor

romance+sem+joguinho+lovegame

Quem vai ligar primeiro? Quem vai dizer "eu te amo"? Tá dando gelo? Vou dar também. E se ligar, não atenderei pra fingir que tô ocupado. Por que fazemos isso? Por que jogamos xadrez para algo que deveria ser simples? No fim do jogo, quem ganha? Quem perde? Quais as regras? Muitas perguntas, uma resposta: ninguém, nenhuma.


O que são jogos mentais?

Toda tentativa de manipular as atitudes do outro para benefício próprio ou curiosidade. É quando criamos regras de comportamento baseadas nas atitudes de quem nos envolvemos — não baseadas no que sentimos realmente. Também são iniciativas para gerar no outro respostas que esperamos, tirando a naturalidade dos eventos emocionais, complicando o que deveria ser muito mais simples.

É quando só dizemos o que sentimos se o outro disser também, quando deixamos de chamar para sair por medo do "não posso", quando estamos loucos pra começar uma conversa no WhatsApp, mas preferimos nos torturar esperando o outro chamar primeiro (que, provavelmente, está com tanta vontade quanto você, mas com a mesma regrinha estúpida), e por aí vai.

relacionamento+joguinho+mental_lovegame

Por que jogamos?

Insegurança: receamos nos entregar, permitir que veja nossas fraquezas e desvantagens (como se fosse vergonhoso). Tememos que o outro repare em nosso "pior" lado e cagamos de medo ao imaginarmos que alguém poderia ir embora caso não goste de uma parte natural a qualquer ser humano.

Orgulho: odiamos deixar que as pessoas nos auxiliem ou complementem o que sentimos por nós mesmos. Temos dificuldades em dar o primeiro passo por receio de sermos inferiorizados, humilhados ou magoados. Assim, levantamos um pilar e ficamos em cima dele, não admitindo o que queremos fazer.

Egocentrismo: esporte onde mexer com a mente do outro nos torna mais bonitos, interessantes, poderosos, dominadores e incríveis. É um tipo mutante de esquizofrenia.

relacionamento+joguinho+mental_lovegame_gay

Como parar de jogar e se relacionar de verdade?

Entenda que vocês não são competidores, e sim amantes! Vocês precisam construir algo juntos, não desconstruírem o objetivo simples de (a) se conhecerem (b) serem sinceros (c) se respeitarem.

Não tenha medo de parecer interessado. Se a pessoa te largar por perceber esse interesse, ainda acha que ela vale qualquer esforço?

Diga "eu gosto de você". Explique que não é um pedido de casamento, mas um sinal verde: "pode vir quando estiver pronto, sem joguinhos".

★ Não gere expectativas. Abras as portas e deixe a pessoa escolher o que fazer. A sua parte você fez.

Que tipo de relacionamento vai crescer a partir de sentimentos ocultados? Para uma união estável, ela precisa ser cultivada sobre bases de confiança e respeito. Se vocês não têm isso como ficantes, como chegarão a quaisquer outras coisas?

Se você parou de jogar mas a pessoa continua se esquivando, mande a real: "quer me conhecer ou não?". Exija uma resposta honesta e, caso perceba que ela não tá a fim, pegue seus paninhos de bunda e vá embora. Tem gente bem mais legal por aí. E que tá jogando jogos de verdade em vez desse Mahjong Masoquista.


Já passou por isso? O que fez para superar os joguinhos?
Não deixe de comentar, compartilhe o segredo!


FacebookYoutubeTwitterConheça o autor

Comente com o Facebook:

Últimos Artigos