Carregando...



Como aceitar que a amizade acabou

Veja mais guias
Fim de uma era!
Discípulos de Peter Pan - DDPP - Como aceitar que a amizade acabou

Triste admitir, mas o "para sempre" de muitíssimas amizades dura menos tempo do que esperamos. Por mais surpreendente que seja, a gente não percebe o fim quando ele não chega com uma briga ou ruptura brusca. O fim é lento, chega sem a gente perceber e quando damos conta, sobra aquele vazio de que "fulano sumiu da minha vida". Uma falta concreta, saudade dolorida acompanhada de um monte de boas memórias que só pioram a situação. Algumas pessoas param de se falar com o tempo — e isso é natural. Para não guardar mágoas e seguir em frente com seu melhor estado emocional, montei esse guia.

POR QUE ACABOU?
No ensino médio eu e meus amigos formávamos um grupo de seis pessoas. Depois que o colégio acabou, mesmo morando perto uns dos outros, nossas diferenças falaram mais alto: cada um seguiu um caminho profissional diferente. Quando um podia sair, o outro estava trabalhando. Quando um não estava trabalhando, o outro estava na faculdade. Para complicar, vieram os namoros, e a necessidade de estar com os amigos, já afastados por compromissos acadêmicos e profissionais, sumiu ainda mais. Quando pintava a oportunidade de fazer algo juntos, cada um queria fazer uma coisa que condizia mais com a personalidade após tanto tempo, e as diferenças que pareciam fáceis de lidar no colégio se tornaram agentes de separação quando ninguém quis dar o braço a torcer. Como disse, essa mudança é natural, mesmo que dolorida.

SE ROLOU BRIGA
Já outras amizade não terminam por causa desse afastamento orgânico. Rompimentos podem ser causados por brigas, competições desnecessárias, inveja e desentendimentos — alguns muito bobos. Não vale guardar rancor por causa disso, pois não faz bem. Nada que gera raiva ou arrependimentos é saudável para a mente. Mesmo que você não tenha causado a briga, peça desculpas por ter brigado. Mesmo que a amizade não retorne, você terá tomado uma atitude madura e aliviará sua consciência. Se o outro não quiser aceitar as desculpas ou dar segundas chances, problema é dele. Sua parte você fez.

SINTO RAIVA POR MEU AMIGO TER ME ABANDONADO
Um amigo começou a sentir muita falta de uma amiga nossa. Essa falta, que aumentava toda vez que ela adiava um encontro para ficar com o namorado, virou raiva: ele não queria mais vê-la e aceitou que ela tinha nos abandonado. Acho que abandono é uma palavra forte. Ela não era responsável por nossas existências, mesmo que a presença dela fosse um presente. Só que precisamos entender que ela estava experimentando algo completamente novo: o primeiro namorado sério, que a tratava do jeito que ela sonhava. Ela não tinha de ser dependente de nós ou nós dela, pois isso não é amizade. É vício e possessividade. O carinho continua, mesmo sem a presença física, e por mais que essa ausência doa, não podemos culpar uma pessoa que nunca quis nos magoar de propósito. Os interesses dela se direcionaram a um novo momento que mesmo querendo, ela não tinha como nos incluir.

Solução: aceitar que pessoas mudam e a vida possui hierarquias. Às vezes as pessoas se apoiam muito nos amigos por sentirem falta de um carinho romântico. Quando conseguem esse tipo de carinho, se focam completamente no namorado, dando menos foco aos amigos porque a necessidade desse tipo de presença cai um pouco — dói admitir, não dói? Se você é amigo de verdade, se você ama essa pessoa que te "abandonou", fique feliz por ela estar feliz. Se você passou a duvidar do amor do outro por você, deixe para lá, pois o seu você sabe que sempre foi real.

ME SINTO CULPADO POR ABANDONAR MEU AMIGO
Se o caso é contrário e você sentiu necessidade de se afastar de seus amigos — ou se a vida os afastou e você não tem vontade de lutar contra ela para retomar a comunicação com eles —, não se cobre. Se tiver de dar explicações, seja sincero: "estou em outro momento e sinto que preciso me reencontrar antes de voltar". Porque, se não há briga, o fim de uma amizade não é exatamente um fim. É um congelamento. No futuro vocês talvez voltem a se falar como uma sequência do filme Harry e Sally - Feitos um para o outro. Na realidade, assista a esse filme. É o exemplo claro que pessoas passam por diversas fases: em algumas delas são compatíveis; em outras não. Ninguém pode prever o futuro — a não ser que leia o guia de "Como ler tarot". Tire seu tempo para amadurecer e explique o porquê de estar fazendo isso se sentir necessidade. Seus amigos respeitarão — mesmo que não concordem.

ACABOU MESMO?
Cito de novo que o fim não é exatamente um fim. As chances de reviver e criar novas aventuras só acabam quando há morte: a pessoa deixa de existir fisicamente, impossibilitando novas interações. Enquanto vocês estiverem vivos, vão se cruzar quando menos esperarem. Perceberão que mudaram em muitas coisas, assim como outras continuaram as mesmas, e daí nascerá um novo capítulo. Em alguns casos, especialmente dos que provém de brigas, o fim é certeiro: antigos amigos se olham como estranhos para todo o sempre, confirmando que "É impossível conhecer alguém por completo, até nós mesmos". A solução sempre será "Sorrir por ter acontecido, não chorar porque acabou".

QUER CONHECER NOVOS AMIGOS?
Leia os guias: "Como fazer amigos depois dos 20 anos", "Como conhecer pessoas legais no bairro", "Como superar timidez e se tornar carismático com 5 dicas" e "Como arrumar namorado".

Qual sua história mais dolorosa sobre fim? Comente!

5 filmes pra salvar amizadesComo fazer amigos depois dos 20 anos15 tipos de amigos para ter aos 20 anosMe apaixonei por meu amigo gay, e agora?
FacebookYoutubeTwitterConheça o autor

Comente com o Facebook:

Últimos Artigos