Carregando...



Meus relatos com OVNIS: objetos voadores não identificados

Veja mais atividades
Você acredita em ETs?
DDPP - Meus relatos com OVNIS: objetos voadores não identificados

Falei no texto "Sou o alien do bairro" que sempre me senti um alienígena no colégio, nas ruas e em qualquer evento social por me achar — e me apontarem — muito diferente do "normal". Acreditava tanto nisso que cheguei a suspeitar que meus pais poderiam ser mesmo de outro planeta ou que eu fosse um experimento genético com sangue extraterrestre e humano. Mas não, eu era só esquisitinho. Nesse post quero falar das poucas e marcantes experiências que tive com OVNIs, objetos voadores não-identificados — não necessariamente entidades extraterrestres.

Meus relatos com OVNIS: objetos voadores não identificados

O céu não é totalmente claro na Praia do Perigoso à noite — aqui tem diário fotográfico do meu acampamento lá e outra história aqui —, porém é mais limpo que o céu da cidade. No meio da madrugada, sóbrio — importante citar —, deitei para ver o céu com dois amigos e tanto eu quanto eles vimos estrelas, várias delas, com intervalos aleatórios se mexendo em ângulos retos. Será que foram naves espaciais ou ilusões de ótica por olharmos tanta escuridão? Sei lá, mas fiquei excitado e com medo ao mesmo tempo.

Meus relatos com OVNIS: objetos voadores não identificados

Como mostra a imagem, não foram objetos voadores não-identificados o que vi — na realidade, o que ouvi. Tinha tempo que eu escutava explosões e estrondos ecoarem pelo ar e achei que fossem pedreiras, algo do tipo. Sem querer, esbarrei com uma reportagem atrás da outra sobre esse mesmo fenômeno acontecendo em várias partes do mundo (veja o artigo do Tecmundo). Até hoje não sei o que eram os sons, mas considerei armas humanas, invasão alienígena e, à noite, quando ouvi o barulho pela última vez, sonhei que anjos me buscavam na cama, mas tinham caras de extraterrestres. Sempre fui um jovem fantasioso.

Meus relatos com OVNIS: objetos voadores não identificados

Falando em mente impressionável, lá pelos 11 ou 12 anos comecei a estudar ufologia. Como o nome diz, é o estudo de UFOs, unidentified flying objects — ou objetos voadores não identificados, os OVNIs em português. Lia tantas histórias de pessoas abduzidas para ensinarem sentimentos às crianças híbridas, tortura clínica e lições de amor interestelares que passei a ter sonhos contínuos com naves espaciais, ETs, monstros e cirurgias. Quando cheguei aos 19 anos, preferi abandonar os questionamentos mais básicos por perceber que é arranhar porta de vidro numa sala cheia de fumaça.

Mas acredito em vida extraterrestre.
Aqui ou em outra galáxia.

Você já viveu algo estranho assim? Comente!

Sou o alien do bairroSpot The Station: estação espacial da NASA vista de casa20 clipes místicos, de bruxas e illuminatiComo conhecer pessoas legais no bairro?
FacebookYoutubeTwitterConheça o autor

Comente com o Facebook:

Últimos Artigos