Carregando...



Quarto Enrique Coimbra (2015)

Meu quarto passou por severas mudanças desde que me escondi na zona oeste do Rio de Janeiro — entre Praia da Brisa e Sepetiba. Todas as mudanças foram postadas no artigo "Quarto do Enrique: todos os faça você mesmo". Na mudança de 2014 para 2015 coloquei na cabeça que precisava de um ambiente claro e menos abarrotado para trabalhar, já que meu quarto também serve como home office.

Com listras cinza-chumbo na parede oposta à porta, a parede esquerda cheia de quadrinhos e pôsteres colados, e uma cama de casal quase maior que o espaço de circulação — em madeira escura e com cabeceira do tamanho da lua —, cheio de coisas por todas as paredes, passei a me sentir comprimido: não conseguia sentar para escrever em paz porque muitas informações vinham de todos os cantos.

Este artigo faz parte do projeto Melhor Verão da Minha Vida 2015. Clique aqui para ver todos os posts dessa categoria e acompanhar minhas aventuras no Rio de Janeiro na estação mais quente do ano!

Até ano passado meu quarto era perfeito e, honestamente, achei que nunca fosse mudá-lo. Só que minha pesca de inspirações minimalistas e escandinavas, meu amor pela luz natural e a necessidade de organizar melhor meu cubículo para que eu e meus amigos tivéssemos mais espaço para nos locomovermos e dormirmos, fez com que um interruptor no meu cérebro iniciasse a pesquisa do que eu precisava e de como manter minha personalidade intacta nessa mudança. O resultado foi trabalhoso, barato e absolutamente lindo.

ANTES
Na postagem "Quarto do Enrique: todos os faça você mesmo" você terá uma visualização melhor de como meu quarto chegou às fotos abaixo — e várias adicionais a essas. A disposição da cama mudou diversas vezes, pois tentava encontrar um jeito de fazer a circulação fluir sem barreiras. Outro problema era que eu só tinha duas luzes auxiliares além da geral — no teto. Uma delas foi o abajur que ensinei a fazer no artigo "Como fazer abajur com cano e madeira" e uma lâmpada vermelha pendurada num fio na lateral da minha mesa de trabalho — ensinei como fazê-la no post "Como fazer luminária em qualquer lugar da casa (com interruptor)". Apesar de meu quarto estar cheio de personalidade e estilo, era escuro, visualmente poluído e harmônico no caos.

Quarto do Enrique Coimbra em 2014

Quarto do Enrique Coimbra em 2014

Com o home office escuro eu me sentia desmotivado para trabalhar, pois quando o ambiente ao nosso redor parece jogar contra a gente, não temos tesão para nada. Dá vontade de pegar qualquer balde de tinta e pintar tudo, ou ficar mudando móveis de lugar para ver se a sensação estagnada passa. Com calma e paciência montei um painel no Pinterest para me inspirar nas transformações que queria. Comecei com um painel geral, salvando todos os quartos que me identifiquei e achei que seria possível de adaptar. Depois fiz o segundo painel, mais filtrado, seguindo a paleta de cores que defini — paredes brancas, roupas de cama claras e tons amadeirados — e me inspirando em quartos pequenos como o meu, com ideias para guardar objetos e maximizar a fluidez do espaço. Você pode ver o painel de quartos abaixo e muitos outros no meu perfil:

Siga o painel Quartos & Camas de Enrique no Pinterest.

DURANTE
Transformações exigem paciência. Se você paga alguém para fazer, todo tipo de atraso vai acontecer, e se você não confiar no profissional vai ter aquela sensação de que ele não está se dedicando tanto quanto você se dedicaria. Se você não tem dinheiro para pagar alguém, precisará fazer tudo sozinho, e aí nasce outro desespero: lixar móveis, pintar, ter que esperar 24 horas para secar e aceitar que não dá para deixar tudo pronto em dois dias é um tiro no coração de um ansioso/eu. Dá vontade de chorar, desistir, de pedir socorro e morrer — mas não tente suicídio, como comentei no artigo "Tentei suicídio e aprendi 20 lições sobre viver".

Quarto do Enrique Coimbra (2015)

Lembra da minha parede de quadrinhos? Tive de usar uma espátula para removê-los, pois os prendi com cola branca diretamente na parede — ensinei no artigo "Como fazer armário com páginas de quadrinhos ou mangá". Depois de raspar e lixar, o que demorou dois dias, tapei buracos e imperfeições da parede usando massa corrida. Ficou pronta para receber tinta.

Quarto do Enrique Coimbra (2015)
Sobre lixar móveis, sempre quis chorar sangue quando precisava fazê-lo. Só que nessa redecoração eu aprendi truques para lixar sem cansar, sem machucar e sem pedir para ser queimado junto com Joana D'Arc na fogueira. Pintei meus criados-mudos amarelos de branco, a mesa do computador, removi a cabeceira da cama usando uma serra tico-tico baratinha e a pintei também, e fiquei pronto para viver num episódio de "Roupas e decoração de American Horror Story: Coven"

Quarto do Enrique Coimbra (2015)

Quarto do Enrique Coimbra (2015)

Depois que as partes mais tensas passaram, pintar a parede foi mole — mesmo tendo gastar um dia inteiro de calor esperando cada demão secar, por volta de 4 horas cada. O resultado vale a pena. Aproveitei o dia seguinte para bater perna em Campo Grande, bairro de produtos a preços populares na zona oeste do Rio de Janeiro, e consegui comprar a prateleira por horrendos R$ 40 — tentei achar mais barata, mas com 90cm de comprimento foi difícil, e fazer uma do zero sairia quase pelo mesmo preço. Como meu quarto é pequeno e eu queria mais luz refletida, decidi comprar um espelho, só que os preços estavam incômodos: entre R$ 120 e R$ 160.

Por sorte esbarrei nesse espelho da foto a R$ 70 numa loja nova, que queria chamar clientes. Voltei para casa satisfeito. Comprei edredons (preços entre R$ 70 e R$ 130), dois travesseiros viscoelásticos por R$ 30 cada (dos bons, na liquidação), um spot de luz para colocar acima do espelho (R$ 29), a luminária de gancho para prender na cama que removi a cabeceira (R$ 70, mas achei em Campo Grande a R$ 40 depois) e a tinta de parede eu dividi com minha mãe, cada um dando R$ 75 para 18 litros de tinta branca Paredex (que é da família Coral e rende muito).

DEPOIS
Depois dos gastos e trabalho físico, deixei meu quarto pronto antes do Natal de 2014, iniciando o Melhor Verão da Minha Vida com um ambiente fresco. Supri a escuridão com esses spots de luz — uso lâmpadas de bolinha, acho que são de 40W a R$ 2,50 cada — e as paredes brancas se tornaram coringas, permitindo transformar o quarto mudando apenas a roupa de cama e acessórios das prateleiras. Por não ter o teto rebaixado e não querer abrir mão dele, limitei a altura visual fazendo uma "saia" com tinta cinza-chumbo, que já estava na parede antes da repintura. O "xuxão", esse mega travesseiro vermelho, comprei a R$ 50. Sobre a cama tem a antiga bandeja amarela que eu usava na parede, agora servindo de ilha para segurar meus copos molhados enquanto assisto filmes no edredom. Na parede está o urso que ensinei a fazer no post "Como fazer tapete urso", inspirado pelo design escandinavo. Se você acompanha meu canal no YouTube, sabe que o quarto já mudou mais um pouco desde a finalização da redecor.

Quarto do Enrique Coimbra (2015)

Quarto do Enrique Coimbra (2015)

Abaixo uma visão da minha "penteadeira", com cantinho para meus amigos fazerem cama no chão ou jogar almofadas e conversar por um tempão. O tapete é de PVC e custou R$ 80. No canto esquerdo estão prateleiras que reaproveitei do meu antigo armário quando o transformei na arara de teto que ensinei a fazer no artigo "Como fazer arara de teto sem gastar nada". Também peguei um dos criados-mudos que pintei de branco e usei como suporte para meus livros coloridos, meus amados DVDs da série "The O.C.", documentos, e meus dois únicos pares de sapatos. Mais abaixo um close na penteadeira.

Quarto do Enrique Coimbra (2015)

Quarto do Enrique Coimbra (2015)

Quarto do Enrique Coimbra (2015)

Quarto do Enrique Coimbra (2015)

O balde de gelo da Budweiser — minha cerveja preferida — custa normalmente R$ 70. Comprei por R$ 40 pois os vendedores não atualizaram os preços após as promoções e resolveram fazer esse descontão. Ainda não o estreei com cervejas, pois durante o Melhor Verão da Minha Vida eu tenho bebido na praia, então coloquei revistas para dar brilho.

Quarto do Enrique Coimbra (2015)

Aqui embaixo dá para ver melhor minhas prateleiras. Instalei uma luminária diretamente na madeira para clarear sombras — ensinei a fazer no artigo "Como fazer luminária em qualquer lugar da casa (com interruptor)" — e reaproveitei minha arara de teto presa sob a prateleira mais baixa.

Quarto do Enrique Coimbra (2015)

Quarto do Enrique Coimbra (2015)

Meu home office ficou exuberantemente mais claro e estou nessa onda de ter na mesa apenas o necessário. O ruim do branco é que se você não gostar mesmo de minimalismo, vai sentir que está faltando alguma coisa. Mesmo que eu tenha desenhado na parede — ensinei como no post "Como pintar uma parede diferente" — e isso tenha dado energia à minha área de trabalho, senti falta de objetos inspiradores.

Quarto do Enrique Coimbra (2015)

À esquerda coloquei revistas com design editorial que admiro, meu caderno de afazeres apoiado na parede — veja como ele funciona no artigo "Como organizar tarefas: o método perfeito" — e uma caixinha de papelão com vários lápis iguais apenas pela estética. À direita coloquei meu platônico tabuleiro ouija — ensinei a fazer no "Como fazer um tabuleiro ouija" —, minha água, lápis coloridos para dar vida, e uma jiboia plantada num baldinho dentro de outro baldinho.

Quarto do Enrique Coimbra (2015)

Quarto do Enrique Coimbra (2015)

Para esconder a quantidade de fios, reaproveitei um dos criados-mudos e dei outra utilidade à prancheta que pintei de branco e dourado. Sem ela a poluição visual é absurda, como dá para ver na primeira foto abaixo, à direita. Esse criado-mudo de madeira maciça chegou há pouco tempo e não sei se irei pintá-lo de branco ou apenas dar uma revitalizada. É onde guardo meu Nintendo 3DS, cabos do computador, organizadores do site e besteirinhas pequenas. São as gavetas da bagunça.


Por último a cortina que eu mesmo fiz — sem costurar! Ensinei na postagem "Como fazer cortina sem costurar". A minha vai do teto ao chão porque meu pé direito é alto (a altura do quarto). Assim aproveito visualmente um espaço "morto", pois meu canto funciona melhor na vertical do que na horizontal.



É isso! Esse é meu quarto nesse início de 2015! Como falei, o bom de ter paredes e móveis brancos é que quando eu cansar das cores, posso mudar o edredom, a cortina ou as cores das lâmpadas — no momento são amarelas, mas se eu usasse azuis, por exemplo, o foco das luminárias "pintaria" as paredes. O bom disso é que gasto menos dinheiro com redecorações pesadas e consigo viver dos livros que lancei sem precisar comer miojo de novo. Ah, não deixe de ler o guia de "Como manter quarto sempre arrumado", pois organização mantém o lugar mais charmoso por mais tempo.

Espero que essa postagem tenha te inspirado a mudar gastando o mínimo possível e trabalhando muito duro! Quaisquer mudanças eu atualizo e aviso na Fanpage, no Twitter e no Instagram, então não esqueça de me seguir!

Quarto do Enrique: todos os faça você mesmoDecoração quarto da Hazel - A Culpa é das EstrelasComo manter quarto sempre arrumadoThe O.C. - Quarto do Seth Cohen

Comente com o Facebook:

Últimos Artigos